"ENTRE NÓS E AS PALAVRAS, O NOSSO DEVER DE FALAR" Mário Cesariny, in:Pena Capital
Sábado, 4 de Outubro de 2008
O Direito dos Animais - A matança do Porco
Consultar: www.ansiaonews.eu/08anews01/08Out04ansiaonews01.html
----------------------------------------------------
 
Cresci com  este termo associado a uma jantarada  a que chamamos Lombada.
Junto à casa de meus pais, na traseira existia o curral dos porcos. A minha mãe guardava todos os restos da comida, e aquilo que hoje deitamos no lixo era aproveitado para a refeição destes animais, ao qual se juntavam as abóboras e as  beterrabas, as couves e alguma fruta que  não dava para comermos. Era aquilo a que a mãe  chamava de “ a lavagem”.
E lá no curral grunhiam  uma porca, que em altura certa era levada ao porco mais machão da zona, a fim de que, mais tarde aparecessem os “bacoritos”,  que um ou dois meses depois iriam reforçar o fraco rendimento doméstico, enquanto na Mealhada e arredores  se transformavam no delicioso Leitão assado à Bairrada.
Mas, com a porca ia crescendo o porquito que, na altura do Natal, estaria com o peso ideal para ser transformado nos deliciosos petiscos, “chouriços, morcelas, presuntos, paios,  fêveras, rojões, entrecostos, entremeadas, iscas, cozido à Portuguesa, feijoadas, sarrabulhos, chispalhadas” rituais da cultura alimentar que nos circunda.
E é aqui que começa o meu martírio. A Matança do animal.
Algum tempo antes passou o capador. O capador era o homem que castrava o animal, para que  a carne tivesse melhor sabor, para não saber a “barrasco” como popularmente se diz. Aparecia a tocar  pífaro, tipo flauta de pan, e era o primeiro sintoma de medo. Os mais velhotes diziam:
- Espera aí que vem aí o capador e ele  trata-te da saúde.
Nós, pequenos,  apertávamos os ditos e escondíamo-nos até o homem passar e a flauta já só se ouvir ao longe.
Mas o dia da matança chegava. O Ti Manel Ferreira, o Ti Zé Gaitas ou o Ti Melro eram normalmente os “carrascos” da zona. Conheciam bem a forma de dar a facada no sítio certo sem que o animal sofresse muito. Era o que diziam por lá.
Mas, mal eles apareciam, a minha alma ficava em profundo desânimo. Fugia, escondia-me onde não pudesse sentir aquela aflição do animal.
A banca era colocada no terraço da eira, as facas eram afiadas a preceito. O alguidar era preparado para poder receber o sangue que posteriormente serviria para as morcelas e para o sarrabulho, na nossa zona, um pitéu feito com  o sangue retalhado, guisado com batatas e outras carnes do  animal, nomeadamente, fígado, bofes, goela.
Ao lado preparava-se a fogueira que  havia de servir para depois  chamuscar o porco.
E era chegada a hora fatal. O animal começava a pressentir o que lhe estava para acontecer. Não queria sair do curral. A mãe, o pai, os homens sentenciadores lá lhe atavam uma perna com uma corda e só assim, com um chiar lancinante de pedido de socorro,  o arrastavam até à banca onde era apertado para que fosse mais  fácil a execução.
E com a faca bem aguçada, o carrasco espetava entre as pernas da frente em sítio  demarcado, para que apanhasse o coração.  E se isso não acontecia era porque o matador não tinha a experiência devida ou o animal tinha um porte demasiado grande para o comprimento da lâmina.
Os  gritos do animal eram lancinantes, que se ouviam a largas centenas de metros. As mulheres seguravam o alguidar enquanto, com a colher de pau, iam mexendo o sangue que jorrava da chaga aberta.  Pouco a pouco, os gritos do animal iam-se perdendo e iam dando lugar às ordens dos sentenciadores. Por vezes o animal ali fazia a sua última necessidade. Tudo isso era para mim uma cerimónia incrivelmente cruel e incompreensível. Mas tudo se passava com a maior das naturalidades. Era assim. Era a tradição. Ninguém pensava no sofrimento do animal. Pensava-se nas arrobas de carne, nos chouriços e na lombada.
 
E o animal foi morto. Barbaramente morto. Ritualmente morto, conforme manda a tradição.
Depois de queimado o pelo com caruma a arder sobre o corpo, era todo raspado, com facas e com pedaços de telha. Depois de lavado, era a sua barriga aberta de alto a baixo e lá apareciam as tripas, ainda com o calor do interior do animal. E tudo aquilo era agora retirado para outro alguidar, para que as tripas fossem depois levadas para a ribeira próxima, a fim de serem lavadas.
Era a altura de pesar o animal. Geralmente, 2 a 3 arrobas. Era  de seguida colocado pendurado na dispensa da casa, todo aberto, para que durante algum tempo escorresse  o resto do sangue, antes de ser todo recortado e divididas as partes a guardar na salgadeira e as outras para os enchidos.
E era este o ritual da matança do porco.
A  tradição é ainda hoje a a razão para que ninguém pense nos Direitos do Animal. A tradição faz-nos agir irracionalmente, sem termos um pouco de reflexão sobre a barbárie deste ritual quase medieval. Um porco e, segundo o que tenho lido, é um animal que sente.  É um animal doméstico que, não fosse o nome, poderia ser tão limpo como o fiel amigo, cão ou gato e tão doméstico como estes animais. Alguma vez pensaram em fazer o mesmo a um cão?  Teriam coragem?
Tenho lido, nos cartazes actuais do nosso concelho e concelhos limítrofes, um certo relevo sobre as tradições. Algumas delas  são importantes que não sejam esquecidas. Mas, a matança do porco?
Tenhamos mais respeito pelos direitos dos outros animais!


publicado por lamire às 01:03
link do artigo | comentar | favorito
|

Sempre em roda
Molhobico
Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar
 
Molha o bico aqui:
links
artigos recentes

A GRANDE MINA DA EDP

Os Moralistas

Tomada de Posse do Presid...

12 de Março de 2011 - Um ...

Portal do cidadão! Inacre...

Estudo do Economista Álva...

O Diário do Professor Arn...

Casa de férias do Sr. Sil...

Alguém se Candidata a ser...

Reformas na Suíça com tec...

A mania saloia dos diplom...

Cavaco ganhou €147 mil co...

TC critica despesa injust...

Vamos pôr a EDP na Linha!...

Cum carago!

A EDP e os PRÉMIOS!

Os nossos maiores emprega...

O desperdício de Lisboa

Bem Prega "Frei Tomás"!.....

Viva a Maria !!!

4 Vergonhas

CHULICE

"Manso é a tua tia, pá!"

Prestação Familiar?? Vão ...

Mulher com "Tomates"

arquivos

Julho 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Setembro 2002

Novembro 2001

Setembro 2001

Março 2001

Dezembro 2000

Setembro 2000

Junho 2000

Fevereiro 2000

Dezembro 1999

Outubro 1999

Agosto 1998

Abril 1998

Março 1998

Fevereiro 1998

Outubro 1997

Julho 1997

Junho 1997

Maio 1997

Abril 1997

Janeiro 1997

Junho 1996

tags

todas as tags

o nosso email
molhobicopower@sapo.pt
mais comentados
subscrever feeds