"ENTRE NÓS E AS PALAVRAS, O NOSSO DEVER DE FALAR" Mário Cesariny, in:Pena Capital
Sábado, 23 de Outubro de 1999
EMPREGO, QUE EMPREGO? (Cont.)
Se a precariedade de emprego é um mal de que enferma a nossa actividade económica, também é verdade que as leis do trabalho enfermam de tantos vícios, que efectivamente não sei onde é que iremos parar.
É o Estado que, ao mesmo tempo que determina as leis,  primeiro  dá o mau exemplo, com uma percentagem enorme de trabalho precário, embora saibamos que se tem feito um grande esforço em alterar esse facto.
No nosso meio verificamos que uma grande parte do mercado de emprego se rege como se de pequenas empresas se tratasse, mas não passando, no entanto, de empresários individuais que prestam serviços, como é o caso de muitos pedreiros, carpinteiros e electricistas, por exemplo.
O facto é que, quando uma empresa precisa de um trabalhador nestas áreas de trabalho tem dificuldade em encontrar um técnico de qualidade, porque esses técnicos transportam custos que são irreais.
Com efeito, quando um trabalhador diz que numa obra ganha 10 ou 15 contos diários (ou até mais) não se lembra que esse valor deveria contar com a Segurança Social, com o seguro, com as férias, com o subsídio de férias e 13.º mês, que qualquer empresa terá que pagar.
É evidente que este problema terá a ver com a falta de fiscalidade das leis do trabalho e com a ausência de carteiras profissionais, permitindo assim que qualquer aprendiz, passando um mês ou dois possa considerar-se empresário em nome individual.
É pois importante dar valor à formação, mas de forma que ela seja um meio de ao serviço dos empresários e não um meio ao serviço das escolas de formação.
A formação tem que ter em conta o mercado de trabalho, e não o mercado dos formadores, ou seja, muitas vezes forma-se no que é mais fácil formar, deixando para as empresas a verdadeira e real formação, sem qualquer apoio.
Efectivamente cada empresa tem a sua especificidade e a formação dos seus empregados deveria ser o primeiro ponto em toda a política formativa.
Pela minha experiência, empresário há quase 20 anos, sempre tive que efectuar a formação dos meus empregados e nunca consegui obter apoios concretos destinados à formação, a não ser os relacionados com as isenções relativas a 1.º emprego.
Ou seja, o patrão tem que pagar ao empregado enquanto se está formando e o empregado, sem qualquer responsabilidade, deixa a empresa quando quer. Isto é, o empresário não tem qualquer hipótese de justificar o prejuízo que o empregado deu, se após a formação ele decidir sair. Claro que não estou a falar de futebol....
 
Assim vamos! Vamos ver se melhoramos!


publicado por lamire às 01:16
link do artigo | comentar | favorito
|

Sempre em roda
Molhobico
Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar
 
Molha o bico aqui:
links
artigos recentes

A GRANDE MINA DA EDP

Os Moralistas

Tomada de Posse do Presid...

12 de Março de 2011 - Um ...

Portal do cidadão! Inacre...

Estudo do Economista Álva...

O Diário do Professor Arn...

Casa de férias do Sr. Sil...

Alguém se Candidata a ser...

Reformas na Suíça com tec...

A mania saloia dos diplom...

Cavaco ganhou €147 mil co...

TC critica despesa injust...

Vamos pôr a EDP na Linha!...

Cum carago!

A EDP e os PRÉMIOS!

Os nossos maiores emprega...

O desperdício de Lisboa

Bem Prega "Frei Tomás"!.....

Viva a Maria !!!

4 Vergonhas

CHULICE

"Manso é a tua tia, pá!"

Prestação Familiar?? Vão ...

Mulher com "Tomates"

arquivos

Julho 2011

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Setembro 2002

Novembro 2001

Setembro 2001

Março 2001

Dezembro 2000

Setembro 2000

Junho 2000

Fevereiro 2000

Dezembro 1999

Outubro 1999

Agosto 1998

Abril 1998

Março 1998

Fevereiro 1998

Outubro 1997

Julho 1997

Junho 1997

Maio 1997

Abril 1997

Janeiro 1997

Junho 1996

tags

todas as tags

o nosso email
molhobicopower@sapo.pt
mais comentados
subscrever feeds